Páginas

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Feira de Ciência e Tecnologia

Entrou no ar, no dia 30/11, o site da Feira Internacional de Ciência e Tecnologia da Amazônia, evento programado para os dias 14 a 16 de dezembro, no Hangar Feira de Convenções, em Belém, que terá dezenas de convidados do Brasil e do exterior, para discutir a Amazônia no contexto das inovações em ciência e tecnologia em favor do desenvolvimento sustentável.
Através do site (http://www.feiraict.pa.gov.br) é possível aos interessados inscrever-se para participar da programação, organizada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Pará (Fapespa).
Os participantes da Feira vão conhecer os resultados no Estado e na região da implantação do Sistema Paraense de Inovação (SIPI) pelo governo do Pará, desde 2007, bem como os efeitos das recomendações feitas nas conferências regionais e no Fórum de Ciência e Tecnologia. A Feira também servirá para a demonstração de produtos na área de ciência e tecnologia.
“O governo efetivamente implantou uma política de ciência e tecnologia no Estado”, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Maurílio Monteiro. “A inovação para o desenvolvimento é um dos três pilares estratégicos do modelo defendido pelo governo”.
Neste pilar, está incluída a mudança da matriz produtiva do Estado, um dos objetivos do SIPI, que funciona como indutor do desenvolvimento econômico pelo incentivo ao uso de ciência e tecnologia na produção. Fazem parte do SIPI os Parques de Ciência e Tecnologia (PCT) do Estado, dos quais, um deles, o PCT Guamá, já está em atividade, no campus da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Belém, enquanto os outros dois: o PCT Tocantins (em Marabá) e o PCT Tapajós (em Santarém) estão em fase de construção.
Os parques promovem a aglomeração de empreendimentos de base tecnológica, fortalecem o capital humano e incentivam a pesquisa e o ensino, assim como a Fapespa, que, desde 2007, concede bolsas a estudantes e pesquisadores até o nível de pós-graduação.
Os resultados da política estadual de ciência e tecnologia, que inclui a implantação do Navega Pará, considerado um dos melhores programas de inclusão digital do País, poderão ser conferidos na Feira, que terá palestrantes nacionais e internacionais e minicursos e tratará também de temas como propriedade intelectual, tecnologia industrial básica e distritos industriais.
São esperadas na feira mais de 20 mil pessoas, entre empresários e representantes de cooperativas e associações, representantes de órgãos dos governos federal, estaduais e de prefeituras municipais; professores, técnicos e pesquisadores de universidades, centros de pesquisas e escolas técnicas; estudantes do nível fundamental ao superior e qualquer interessado nos temas a serem abordados.

Nenhum comentário: