Páginas

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Real Engenharia processo de indenizações

A direção da empresa informa que já estão em andamento as negociações para indenização dos proprietários de imóveis com perda total no entorno do  acidente. E já autorizou a pesquisa para aquisição de  imóveis compatíveis com os que foram destruídos. Agiu, da mesma forma,  para indenizar os proprietários dos carros estacionados em frente ao prédio. Outros que tiveram os veículos parcialmente danificados negociaram os reparos,  que em uma semana estarão  concluídos.
A Real Engenharia inicia na terça-feira, 8, o reparo das casas atingidas pelo acidente do edifício Real Class. Neste fim de semana, o terreno onde estava o prédio receberá um tapume, com a autorização do Ministério Público (MP) e Defesa Civil,  para que seja garantida a segurança de pedestres e peritos que agora começam a recolher materiais para perícia. Até  domingo o perímetro da Três de Maio, entre as avenidas Magalhães Barata e Governador José Malcher, será  liberado para o trânsito.
Os operários que trabalhavam na construção do Real Class receberam licença-luto de uma semana e devem retornar ao trabalho na segunda ou na terça-feira; serão alocados em outras obras; alguns entrarão em período de férias. Vinte operários, entre carpinteiros, pedreiros, eletricistas, encanadores e pintores  estão escalados para trabalhar na restauração das casas do entorno do local do acidente.
A Real Engenharia vem se dedicando ao atendimento às vítimas do sinistro e de suas famílias. Além de garantir o acompanhamento médico e psicológico, a empresa assumiu as despesas dos funerais dos dois operários vitimados no desabamento (José de Paula Barros, 60 anos e Manoel Raimundo da Paixão Monteiro, 36) e da senhora Raimunda Santos. Atenção especial foi dedicada às famílias removidas de suas casas por conta do sinistro, mantendo-as hospedadas em segurança em hotéis da cidade, custeando todas as despesas pessoais, inclusive. Mais de 200 pessoas chegaram a ser alocadas em hotéis, até a liberação de seus imóveis pela Defesa Civil. Moradores dos edifícios Londrina e Real Dream,  localizados no mesmo quarteirão do sinistro  já tiveram as moradias  liberadas pela Defesa Civil e começaram a retornar. Outros  moradores, no entanto, permanecem hospedados em hotéis até que a volta para casa se dê com segurança. 
Os proprietários dos apartamentos destruídos também já estão em entendimento com a Real Engenharia e algumas negociações deverão ser concluídas nos próximos dias. (Ascom/Real Engenharia)

Nenhum comentário: