Páginas

terça-feira, 5 de abril de 2011

Prédio do Goeldi reabrirá em junho com exposição

Um dos símbolos do Museu Emílio Goeldi, em Belém, o prédio da Rocinha está em reforma desde março. Passados seis anos desde que foi inteiramente restaurado, o prédio receberá pintura externa e interna, conserto e substituição de esquadrias, manutenção no forro, no piso e nos rodapés. O prédio reabre no final de junho, com uma exposição para comemorar os 145 anos do Museu Goeldi.
No Goeldi, também prosseguem as obras do Centro de Exposições Eduardo Galvão. Em breve serão finalizados o novo conjunto de banheiros externos, que dará mais conforto ao público visitante, e ainda a oficina de museografia e o escritório da Coordenação de Museologia. Ainda nesse ano, serão contratados a reforma da rede elétrica de baixa tensão, a conclusão do viveiro de aves brejeiras e do Aquário, a reconstrução do tanque do peixe-boi e a restauração da Casa de Emílio Goeldi. Entre os parceiros figuram a Petrobras e a Vale.
As obras podem ser acompanhadas passo a passo no site Revitalização do Parque Zoobotânico, disponível no portal do Museu Goeldi, onde é possível consultar as obras entregues, o que será feito nos próximos anos, além de ver um mapa interativo das reformas.
PRESERVAÇÃO
O Parque Zoobotânico do Museu Goeldi (PZB/MPEG) geralmente é lembrado por ser um recinto de preservação da flora e da fauna amazônica. No entanto, mais que isso, guarda a memória de uma arquitetura e de um paisagismo que datam do final do século XIX e início do XX. Não por acaso, em 1982, a Secretaria de Cultura do Pará (Secult) tombou o conjunto arquitetônico e paisagístico do PZB, o que foi reforçado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1993, também por meio do tombamento.
Com isso, prédios como o da Rocinha e o do Aquário Jacques Huber passaram a ser legalmente protegidos. Logo, mais que uma obrigação moral, proteger o patrimônio do Parque é um dever. Prova disso é que, em 2006, um programa de revitalização foi elaborado e ganhou a adesão de instituições públicas e empresas privadas. Desde então, foram entregues diversas obras, como a restauração do Espaço Ernst Lohse (atual livraria); a reforma do tanque das tartarugas, de dois chalés e do Pavilhão Emília Snethlage , que abriga a diretoria.(Com informações da Agência Museu Goeldi)

Nenhum comentário: