Páginas

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Mário Couto reaparece e chama de "ladrão profissional" e "sujeito maldito" o homem que Blairo e Lula colocaram no DNIT

Confira, abaixo, a integra do pronunciamento do Senador Mário Couto divulgada pelo Senado

O SR. MÁRIO COUTO (Bloco/PSDB – PA. Pela Liderança. Sem revisão do orador.) – Gostaria que o Líder da Maioria estivesse tão feliz como eu, sem problemas, não é, meu caro Senador Jarbas Vasconcelos?

Mas, meu amigo Jarbas Vasconcelos, muita gente perguntou a este Senador: “Mas olha, Senador Mário Couto, na hora em que o Pagot sai V. Exª não está lá”. Agora mesmo, o Senador Flexa Ribeiro me disse: “Ó, isso já passou. Tu vais falar sobre o Pagot? Isso aí já passou, Senador.” Não passou não, Senador, não passou não. A sociedade brasileira não se esquece, a sociedade brasileira está lesada, aqueles que pagam impostos a cada dia observam que o seu dinheiro está indo para o ralo. O grande castigo é dado à população brasileira.
Quando cheguei a esta Casa, minha Presidenta, uma das primeiras coisas que fiz foi condenar este cidadão. O primeiro erro do Senado Federal foi arguir este cidadão e dizer que este cidadão Pagot tinha condições de assumir um órgão de tamanha importância para a Nação. Este Senado, esta Casa, o único voto a dizer “não” foi meu, o único voto a dizer “não” a este cidadão corrupto foi meu, todos votaram a favor dele e ali ele já mostrava, minha Presidenta, a sua astúcia de um ladrão profissional.
Quando ali era acusado por mim de ter levado do Senado Federal meio milhão de reais sem trabalhar nesta Casa, como é que um homem deste nível tem condições de assumir o Dnit? Abri duas CPIs, tentei implantá-las, mas esta Casa não deixou por meio do Governo. Eu nutria a esperança de que um dia, Senador, tudo isso pudesse vir à tona. Esta Casa recebeu vários relatórios do Tribunal de Contas da União e, absolutamente, fez que nada existia em suas mãos.
Nação brasileira, este Senado aqui é culpado também, porque não deixou, há quatro anos, estancar a corrupção, a ladroagem e a podridão dentro do Dnit. Várias tentativas de intimidação esse sujeito maldito fez contra minha pessoa. Entrou no Supremo! Acredite, Nação brasileira, esse cidadão entrou no Supremo Tribunal Federal para calar a minha voz. Por três vezes este Senador foi julgado porque chamou o Sr. Pagot aqui de ladrão. Na última vez, há dois meses, ele teve o cinismo de tentar me calar entrando com uma ação aqui no Senado Federal para cassar o meu mandato. Ora, Srªs Senadoras, Srs. Senadores, vejam a qualidade de ladrão, vejam o tipo de marginal que colocaram no Dnit! E haja aos Senadores defenderem esse homem.
É por isso que o Senado não tem a credibilidade da Nação, é por isso que esta Casa de Rui Barbosa, de Ulysses Guimarães e de Mário Covas está sendo criticada a todo momento pela Nação brasileira. É por isso que vi aqui, desta tribuna, muitos Senadores sérios dizerem que não queriam mais ser Senadores. Quando a gente vê Senadores defendendo os interesses de corruptos em troca de cargos públicos, é uma vergonha, é uma estupidez.
E a juventude deste País, Brasil, o que não deve dizer de nós? E a juventude deste País, Brasil, que a cada semana vê estourar escândalos em cima de escândalos. Quantas vezes eu vim a esta tribuna bater e chamar a atenção do Governo em relação ao Dnit? Quantas vezes lutei? Quantas vezes defendi o dinheiro o público?
Quantas vezes fui intimidado? Mas não abri mão da minha coragem e da minha determinação.
Desço desta tribuna hoje, Nação, certo de que tenha feito um trabalho digno de um Senador que veio para cá defender os interesses da Nação, de fiscalizar o Poder Executivo, de fazer com dignidade as suas atribuições. Não vim para cá para ser um Senador para trocar cargos públicos, para trocar interesses por emendas. Não vim para cá para isso! Sou oposição e me orgulho de ser. Sou oposição para defender a minha Nação!

(Interrupção do som.)

O SR. MÁRIO COUTO (Bloco/PSDB – PA) – Não sou oposição para defender bandido, para defender a corrupção!
E agora? E agora, Presidenta? Reconstituição do dinheiro a possibilidade é zero. Zero! São bilhões que foram embora e que não voltam mais, e esse dinheiro é da Nação! Esse dinheiro é do povo brasileiro, que paga os seus impostos! Esses nunca mais voltarão. Saúde, educação, transportes e as estradas que deixaram de ser feitas.

(O Sr. Presidente faz soar a campainha.)

O SR. MÁRIO COUTO (Bloco/PSDB – PA) – Tenho só cinco minutos. Estou descendo. Voltarei ao tema por muitas vezes. Não me cansarei. Não me cansarei de falar.
Quero ver o Pagot preso. Quero ver o Pagot na cadeia. Esses que lesaram e mataram muitos brasileiros nas estradas esburacadas deverão passar muito tempo na cadeia, se é assim que o Governo Dilma quer ter moral para o povo brasileiro.
Muito obrigado, Presidente.

Nenhum comentário: