Páginas

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Pará pode receber sua quinta universidade federal

O Pará pode receber sua quinta Universidade Federal nos próximos anos. A criação da Universidade Federal da Amazônia Tocantina (UFAT), a partir dos campi da Universidade Federal do Pará (UFPA) sediados em Abaetetuba, Cametá e Tucuruí, está prevista no Plano de Desenvolvimento Institucional da UFPA para os próximos cinco anos.
O projeto ainda está em fase de elaboração, mas já nasce multicampi. A iniciativa ganha força graças as parcerias entre os campi da UFPA envolvidos. Atualmente, Cametá e Abaetetuba já mantêm oferta de cursos de graduação e dois projetos para criação de cursos de pós-graduação em conjunto. Um pólo acaba de ser criado no município de Tomé-Açú, onde um processo seletivo especial ofertou 145 vagas para ingresso em 2012.
“Tivemos 960 inscritos no concurso e todas as vagas forma preenchidas. Nesta oferta especial as turmas de Licenciatura de Matemática e Pedagogia está sendo flexibiliza por Abaetetuba e o curso de História, por Cametá”, revela Eliomar do Carmo, coordenador do Campus de Abaetetuba. Integrante da equipe que trabalha no projeto, o professor conta que ainda estão realizando os estudos iniciais para verificar as demandas da região Tocantina. Além disso, em 2012, pretendem submeter duas propostas para cursos de mestrado, um na área de linguagem e cultura e o segundo na área de desenvolvimento regional.
O coordenador da universidade multicampi e vice-reitor da UFPA, Horacio Schneider, defende a importância do projeto. Para o pesquisador a Região Tocantina é muito complexa internamente e apresenta demandas industriais, demanda na área produtiva e rural e ainda na área de energia. Por isso, a nova universidade surge do esforço de integração dos campi envolvidos, mas o mérito da iniciativa vem da complexidade da região e de seu potencial para sediar uma universidade.
“O projeto será encaminhado ao longo dos próximos anos, conforme aponta o PDI da UFPA, mas a efetivação da nova universidade depende da aprovação no Congresso Nacional. Também já temos demanda para a criação de uma sexta universidade, na região nordeste do Pará, sediada, provavelmente, no campus da UFPA em Bragança”, revela.
O reitor Carlos Maneschy é também defensor dos projetos. “Neste caso específico a ‘divisão’ é benéfica já que, em geral, estaremos ganhando mais cursos de graduação e pós-graduação para o Pará. Já a UFPA, mesmo com menos campi, sempre será grandiosa pelo que representa para a sociedade e porque todas as novas universidades carregarão o DNA da UFPA, assim como aconteceu com a Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e com a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)”, assegura o reitor.
Segundo o dirigente máximo da UFPA, a população pode ajudar no projeto “discutindo e apontando informações para que ele contemple as demandas reais. Já a bancada política paraense será essencial para a aprovação da iniciativa no Congresso e no Senado. Embora seja a melhor saída para a resolução das limitações de expansão da universidade com a possibilidade de ampliação dos serviços que estão a disposição da sociedade, não é uma ‘saída fácil’, precisaremos lutar conjuntamente pelo projeto”, conta Carlos Maneschy.
“Temos convicção de que esta é a única garantia que temos para que possamos atender as demandas da população. São inúmeras as famílias da região que vêem nos portões da Universidade a única porta efetiva para a transformação social e ascensão econômica”, conta Eliomar do Carmo. (Ascom UFPA)

Nenhum comentário: